18 dezembro 2009

O ciúme...




"O ciúme é aquela dor que dá quando percebemos que a pessoa amada pode ser feliz sem a gente.” (Rubens Alves)


14 dezembro 2009

Insatisfação!





”Nenhum tempo e nenhum lugar nos agrada tanto como o tempo que não existe, e o lugar em que não estamos.” (Marquês de Maricá)


09 dezembro 2009

Por um fio




Hoje eu decidi falar de um livro que sou apaixonada, um livro fantástico escrito por Dráuzio Varella (médico renomado mundialmente), contando experiências vividas, e traumas superados na sua profissão, é um livro forte, pois retrata a presença da morte (algo inevitável) em casos de pacientes terminais, e a maneira como cada um se comporta à frente dela. Enfim... choro, muito choro, mais não apenas porque é triste, mais porque é a certeza que temos (ver entes queridos sendo tirados do nosso lado), mais vale a pena, para dar um choque de ânimo em nossas vidas, para vermos o que tanta gente passa por ai e saber o quão a vida é generosa conosco, que barreiras são dádivas que precisamos suporta-las.
Boa Reflexão.


Trecho do livro Por um fio de Dráuzio Varella


"Morte é a ausência definitiva. Tomei consciência desse fato aos quatro anos de idade, dois meses depois de ter ficado órfão. Estava sentado à mesa do café-da-manhã, encolhido por causa do frio; minha avó espanhola, de vestido preto, vigiava o leite no fogão, de costas para mim. Naquela noite, tinha sonhado que passeava de mãos dadas com minha mãe por uma alameda de ciprestes que havia na entrada da chácara de meus tios, na rua Voluntários da Pátria, em Santana, um bairro de São Paulo.
- Vó, nunca mais vou ver minha mãe?
Sem demonstrar a solicitude habitual com que respondia minhas perguntas, ela permaneceu calada, cabisbaixa na direção da leiteira.
Vinte anos mais tarde, na faculdade, descobri que tratar de doentes graves era o que mais me interessava na medicina. Por essa razão, passei os últimos trinta anos envolvido com pessoas portadoras de câncer ou de AIDS, em convívio que moldou minha forma de pensar e de entender a existência humana. No começo da carreira imaginei que, se ficasse atento às reações dos que vivem seus momentos finais, compreenderia melhor o "sentido da vida". No mínimo aprenderia a enfrentar meus últimos dias sem pânico, se porventura me fosse concedido o privilégio de pressenti-los."

29 novembro 2009

Como é bom andar devagar!




Ando devagar porque já tive pressa
e levo esse sorriso, porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei, eu nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs,
é preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder seguir,
e é preciso a chuva para florir.
Sinto que seguir a vida seja simplesmente
conhecer a marcha, ir tocando em frente
como um velho boiadeiro levando a boiada,
eu vou tocando os dias pela longa estrada, eu vou,
de estrada eu sou
Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs,
é preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder seguir,
é preciso a chuva para florir
Sinto que seguir a vida seja simplesmente
conhecer a marcha, ir tocando em frente
Cada um de nós compõe a sua história,
e cada ser em si carrega o dom de ser capaz,
e ser feliz
Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs,
é preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder seguir,
e é preciso a chuva para florir
Sinto que seguir a vida seja simplesmente
conhecer a marcha, ir tocando em frente
Cada um de nós compõe a sua história,
e cada ser em si carrega o dom de ser capaz,
de ser feliz...

Música: Tocando em frente

Composição: Almir Sater e Renato Teixeira


Ahhhh! Como é bom ter o "Dom de Ser Feliz".

14 novembro 2009

'O PIPOL E A ESCOLA'


Texto verídico retirado de uma prova livre de Língua Portuguesa, realizada por um aluno do 9º ano, numa Escola Secundária.  (para ler, estarrecer e reflectir...!!!))


REDAXÃO
'O PIPOL E A ESCOLA'
Eu axo q os alunos n devem d xumbar qd n vam á escola. Pq o aluno tb tem direitos e se n vai á escola latrá os seus motivos pq isto tb é perciso ver q á razões qd um aluno não vai á escola. Primeiros a peçoa n se sente motivada pq axa q a escola e a iducação estam uma beca sobre alurizadas.
Valáver, o q é q intereça a um bacano se o quelima de trásosmontes é munto montanhoso? Ou se a ecuação é exdruxula ou alcalina? Ou cuantas estrofes tem um cuadrado? Ou se um angulo é paleolitico ou espongiforme? Hã?
E ópois os setores ainda xutam preguntas parvas tipo cuantos cantos tem 'os Lesiades''s, q é u m livro xato e q n foi escrevido c/ palavras normais mas q no aspequeto é como outro qq e só pode ter 4 cantos comós outros, daaaah.
Ás veses o pipol ainda tenta tar cos abanos em on, mas os bitaites dos profes até dam gomitos e a Malta re-sentesse, outro dia um arrotou q os jovens n tem abitos de leitura e q a Malta n sabemos ler nem escrever e a sorte do gimbras foi q ele h-xoce bué da rapido e só o 'garra de lin-chao' é q conceguiu assertar lhe com um sapato. Atão agora aviamos de ler tudo qt é
livro desde o Camóes até á idade média e por aí fora, qués ver???

O pipol tem é q aprender cenas q intressam como na minha escola q á um curço de otelaria e a Malta aprendemos a faser lã pereias e ovos mois e piças de xicolate q são assim tipo as pecialidades da rejião e ópois pudemos ganhar um gravetame do camandro. Ah poizé. Tarei a inzajerar?

Sutilmente ...

 Linda música do Skank
Escutei hoje de manhã e não sai da cabeça.


E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce

Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti

Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce

Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti

Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti

Pra escutar clica ai em cima.

Vem Pra Cá - Papas da Língua




Não ver você, não tem explicação
é caminhar pela escuridão
ficar a fim e não poder falar
querer o sim e não se acostumar
com a solidão, o medo de amar
estranho vazio no seu olhar
eu tento achar em algum lugar
o amor que você deixou pra trás
vem pra cá.

                                                 Composição: Léo Henkin/Serginho Moah

21 outubro 2009

Chantilly?

Adoro observar as pessoas em restaurante. E se estou próxima sempre fico antenada tentando escutar a conversa alheia.
Se isso acontece quando estou acompanhada, imagina quando estou sozinha!
O que acho curioso é justamente aqueles casais que mal trocam olhares durante o jantar. Palavras, então. Artigo de luxo. Normalmente é visível quando o casal está brigado. Mas quando percebo que eles simplesmente são assim, fico chateada. Chateada porque não existe coisa mais triste que um casal sem assunto pra um jantar romântico.
Sábado fui sozinha a um bistrô muito gostoso. E sentei na mesa ao lado de duas mulheres. Pela semelhança física deveriam ser mãe e filha. Sem brincadeira, até eu que estava sozinha, falei mais durante aqueles 60 minutos. Elas não trocavam uma palavra! Chegou a salada. Chegou o prato principal, o segundo suco. E nada. Daí, sem mais nem menos, a mãe levanta e vai em direção ao banheiro. Antes de sair da mesa nem um "vou fazer xixi". Nesse meio tempo a sobremesa chegou - a mesma que eu havia pedido-. Quando a mãe voltou e viu o merengue com morango no prato disse:
- Chantilly?
A filha concordou com a cabeça e só então tive a certeza que elas não eram surdo-mudas. Resumindo: elas ficaram uma hora comendo uma comida deliciosa sem sequer trocarem olhares de cumplicidade ou pequenos comentários sobre o ponto da carne, que fosse.
Toda essa história era só pra mostrar que a solidão e o silêncio estão dentro de cada um de nós.
Certamente, quem chegava ao restaurante e me via só numa mesa pensava: - Coitada! Almoçando sozinha em pleno sábado...
Mas sinceramente duas pessoas sem assunto uma com a outra são e estão muito mais sozinhas que qualquer pessoa desacompanhada.
Eu estava só, mas devo confessar que não preciso de muito mais que uma taça de vinho e outra de morango com chantilly pra ter um almoço gostoso. Mais duas pequenas coisas que descobri me darem aquele enorme prazer da pequena felicidade cotidiana.
(Texto de Bruninha)

11 outubro 2009

Prenez Soin de Vous * * Cuide de você

Esse é o nome da nova exposição de uma artista francesa chamada Sophie Calle. Não a conheço, nunca vi uma obra dela mas já sou sua fã.Vamos lá às minhas razões. Ela tinha um relacionamento com um escritor francês. Mas era um relacionamento tranquilo, cada um morava na sua casa, etc. A única "regra" da relação, o que não é difícil de imaginar, era a fidelidade. Muito bem. Passado algum tempo, ela estava em Berlim e recebe um e-mail no blackberry. Um e-mail não. Um parágrafo. Dizia mais ou menos assim: " Eu te amo mas não posso suportar a "regra" que você impôs de eu não ter outras mulheres. Cuide de você."É isso. Simples como tudo. Eu e quase todas as mulheres que conheço cortariam os pulsos, no mínimo.Mas sabem o que a incrível Sophie fez? Transformou o e-mail em exposição. Contactou dezenas de mulheres de várias áreas ( psicólogas, professoras de gramática, atrizes, assistentes sociais e até uma criança de 9 anos) para interpretar o tal e-mail. Todas elas foram foram filmadas ou fotografadas e o resultado a gente vai poder conferir a partir de 10 de julho no Sesc Pompeia.Pra mim ficou a lição. Levou um fora? Foi traída? Tá na fossa? Não há nada que um final de semana com Haggen-Dazz de Strawberry Cheesecake e uma temporada do Friends não cure. Ou , se for criativa e iluminada como a Sophie, deixe a imaginação rolar e exorcise as suas frustações de maneira a ainda tirar bons frutos delas. Ah! E é claro, cuide de você.

(Texto de Bruninha)

09 outubro 2009

MSL

Esses dias tava conversando com uma amiga recém-solteira e chegamos a uma conclusão simples porém que faz todo o sentido. Descobrimos a melhor coisa de não ter namorado e morar sozinha: não ter que dar satisfação para ABSOLUTAMENTE ninguém. No caso dela, percebeu essa dádiva quando estava saindo de uma peça. Encontrou uma amiga que convidou-a para jantar com um grupo de amigos. Sua primeira reação foi negar o convite. Mas 30 segundos depois pensou: “Por que não vou? Não tenho nada pra fazer em casa.” Na verdade, primeiro ela disse que não no automático, acostumada a anos e anos de marcação dura. Resumo da ópera: ela foi no tal jantar, se divertiu muito e voltou pra casa às 4 da manhã. O melhor: não tinha ninguém no quarto com aquela cara de com quem você estava me traindo até essa hora?  Fiz toda essa introdução para ilustrar melhor o meu sábado. Como trabalhei até muito tarde na sexta , acordei meio-dia. A única coisa que tinha marcada era uma despedida com colegas de um trabalho que acabou. Cheguei lá por volta das 13:00. Lá pelas 14:00 recebo uma mensagem de um amigo: Sinuca hoje às 20:00?. Nem pensei duas vezes e respondi que sim. A despedida acabou, peguei meu Guia da Folha e fui ver um filme ali perto ( falo disso em outro post amanhã). Depois fui até a Fnac comprar umas coisas e quando vi já estava na hora da sinuca. Ficamos lá até às 2 da manhã. Fomos pra um bar do lado e ficamos mais uma hora. Terminamos a noite numa padaria comendo pizza. Às 4 e meia cheguei em casa e não havia ninguém no quarto fazendo a famosa cara de com quem você estava me traindo até essa hora? Saí de casa antes das 13:00 e voltei de madrugada. Não dei satisfação pra ninguém o dia todo. Isso sim é liberdade. MSL. Movimento pelo Sábado Livre.
(Texto de Bruna)

Minha Páscoa Inesquecível

Nos idos de 1987, meus pais estavam sem fazer nada em casa, a situação era miserável e nem televisão eles tinham. Em 1988, eles sairam correndo pro hospital porque o fruto daquela época onde eles não podiam assistir o Jornal Nacional estava nascendo. Apesar de já ser bem grandinho (sabia até me limpar depois de ir ao banheiro!) resolveram me deixar na casa de uma tia. Bom, pra vocês terem uma idéia eu preferia a companhia do monstro do armário e do bicho papão. 55 anos, morava com 8 gatos e fumava 4 maços de Free por dia. É praticamente um playground pra um moleque de 4 anos. Vendo meu descontentamento, ela teve uma idéia simplesmente genial: dar uma volta, espairecer, ir num bingo, essas coisas que só uma baby sitter altamente capacitada faria. A gente chegou lá e depos de 15 minutos eu já ganhei meu primeiro presente: um enfisema pulmonar. Não sei se vocês já entraram num bingo, mas lá parece um grande crematório. Você vê cinzas por todos os lados e pessoas que se continuarem a fumar assim vão virar cinzas com a mesma velocidade com que acabam um maço de Derby Light. Depois eu comecei a fazer o que qualquer criança de 4 anos faz quando está contente em um lugar: gritar, correr e espernear. Bem, eu parei quando uma velha perdeu a conta por minha causa e ameaçou usar minha língua como cinzeiro. Às 3 horas da manhã, minha tia já não tinha mais nenhuma uma nota de 10 mil cruzados e fomos embora com ela reclamando que isso era tudo armado e que ela ia processar aquela espelunca. Eu estava morrendo de fome e pedi pra ela me comprar pelo menos um guarda-chuvinha de chocolate. Ela prontamente me respondeu: - Chocolate só na Páscoa. Estamos em agosto.
(Texto de orabujo)

03 outubro 2009

A Fila Andou

Nananá Nananananá Nananá
Cansei de esperar na janela de casa
Desisti do seu jogo agora vou me virar
Não quero mais lágrimas na minha vida
Cansei desse papo de te amar sozinho
O meu coração tá pedindo carinho
Já virei a página da nossa relação
Já deletei você da minha vida
Sem nenhum rancor na despedida
o que passou, passou já se esqueceu
Não volta mais
Tirei o seu perfume da memória
Botei um ponto final na nossa história
Eu já chorei, eu já sofri
Mas já te esqueci
Preciso ser feliz!
A fila andou
Eu te falei
Não deu valor
Como eu te amei
Agora chora
Já me perdeu
Boa sorte, vá embora
A fila andou
Eu te falei
Não deu valor
Como eu te amei
Agora chora
Você já me perdeu, tô fora!!
Não sei porque postei essa música, eu estava a ouvindo e ela passa um astral tão bom, dá vontade de pular, dançar até se acabar..., eu acho que é assim com todas as músicas de Chiclete, será que eu sou chicleteira???
Heheheheh....
Esse tipo de coisa sabe...,
Tô falando Hebraico... Hã!

02 outubro 2009

Expressando...

Quem é a pessoa que nunca se sentiu com vontade de sair gritando por aí... mas não sabe o porquê;
Quem é a pessoa que nunca teve vontade de tomar doril e sumir... sem saber o porquê;
Quem nunca sentiu vontade de cair aos prantos... sem saber o porquê;
Quem nunca sentiu vontade de enforcar o pescoço de umas boas pessoas... sem saber o porquê;
Quem nunca tentou explicar algo e não foi, (não é, e acha que nunca será) compreendido...,
enfim...,
muitas vezes não consigo exprimir meus sentimentos, pensamentos e indagações como gostaria..., é difícil..., parece que ultimamente ando falando em códigos, muitas vezes nem eu me entendo, imagina então outra pessoa, hehehh..., mas vou me esforçar, me espremer todinha, e se for preciso, virarei ao avesso, para traduzir esses pensamentos loucos de uma mente sã.
Kisses, Kisses.